sábado, 11 de março de 2017

O que é e para que serve um perfil de aluno?


O documento Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória, também designado por Perfil dos alunos para o século XXI. 2017, que o Ministério da Educação de Portugal entendeu redigir, encontra-se em consulta pública até ao dia 13 deste mês, ou seja até à próxima segunda-feira.

Sobre esse documento escreveu

1) o coordenador do grupo de trabalho:
- na nota de abertura da revista Noesis, no número de Março de 2017, “Um perfil na educação para todos”;
- no jornal Público, de 9 de Março de 2017, “O saber não ocupa lugar” 

2) um dos membros desse grupo:
- no jornal Público, de 7 de Março de 2017 "Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória: para que serve?

Uma vez que o documento em causa não prima pela clareza, tenho procurado perceber o seu sentido e conteúdo, pelo que li vários textos incluindo estes que refiro. 

Infelizmente, não fiquei mais esclarecida. 

2 comentários:

  1. Helena, como a educação não é uma equação matemática, qualquer texto escrito sobre ela implica interpretação. Sobre o assunto, talvez entenda melhor se ler o que diz aqui, por exemplo, o António Damásio:

    https://www.publico.pt/sociedade/jornal/e-muito-mais-facil-ensinar-matematica--e-ciencia-do-que-artes-67080

    Já aqui debati com alguém que acha que a escola não serve para formar cidadãos, ideia que acho bizarra. Ora, o apelo ao reforço das artes e humanidades na escola é simplesmente a ideia simples, mas que parece ser ainda revolucionária para alguns, de que a ciência e a matemática não formam cidadãos e que este é um papel fundamental da escola. Einstein, um humanista, sabia-o.

    ResponderEliminar
  2. tenho pena , mas não lhe posso responder :) do que tresli retirei 3 conclusões : que os alunos portugueses ainda sofrem na pele o atraso de 40 anos de salazarismo , que nas escolas estrangeiras é que é bom e que as escolas e professores portugueses têm andado a botar no mundo alunos com perfil de burgessos incultos incapazes de alinhavar duas ideias.
    não se acredita como podem ser tão idiotas

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.