terça-feira, 28 de agosto de 2012

Regresso ao "regresso às aulas"

Mal acabadas as múltiplas, infindáveis e cansativas campanhas publicitárias de início de férias (quando ainda professores e alunos andam embrenhados em revisões, testes, exames, classificações e tarefas afins) começam as múltiplas, infindáveis e cansativas campanhas publicitárias de regresso às aulas (quando ainda professores e alunos saboreiam a ausência de compromissos).

É a televisão, a rádio, são os prospectos na caixa de correio, os outdoors de tamanho gigante nas estradas, os placards pelas ruas... tudo isto a mandar ir rapidamente comprar... num tom estridente, de necessidade absoluta, urgente, como se não houvesse amanhã.

Quem vai aos super e hipermercados sente-se, de certeza, a entrar numa feira popular ruidosa e desorientadora onde abundam canetas e lápis de cores nem imaginadas, borrachas, afias e colas dos mais diversos tipos, computadores com ligações a não-sei-o-quê, mochilas e cadernos com os bonecos impostos-aos-miúdos-para-eles-gostarem, sapatilhas, camisolas e fatos-de-treino das marcas que se tornaram símbolos de identidade...

Nas estantes, estrategicamente distribuídas por onde as pessoas têm mesmo de passar, é tudo bonito, colorido, brilhante, maravilhoso. Apetece levar de tudo, comprar, comprar, comprar... antes que seja tarde, antes que se acabe o que é parece não ter fim. Que importa o desemprego, a falta de dinheiro para a comida, a água e a luz, as árvores abatidas para tanto papel, a escassez de recursos do planeta!?

Face este cenário de ausência de fronteiras materiais, o que pode a escola fazer, passadas duas ou três semanas, para educar as mesmas crianças e jovens no sentido da poupança, da ecologia, da desocultação das técnicas publicitárias...

A história repete-se todos os anos: por um lado, a sociedade faz e/ou tolera certas opções de marketing e consuno, mas, por outro lado, exige à escola que as "trabalhe", que mude as atitudes dos mais jovens. Alguém acredita que isso é possível? Alguém acredita que é desejável?

Acho que ninguém acredita verdadeiramente nem numa coisa nem noutra, mas a consciência colectiva ficar em sossego com a mistificação consentida.

2 comentários:

  1. José Batista da Ascenção28 de agosto de 2012 às 22:15

    Pois, a escola transformou-se (ou transformaram-na ou transformámo-la) numa mistificação.

    Agora, é possível os professores falarem nisso aos alunos.

    Eles ouvem, embora pareça que não.

    Ousem(os) (caros colegas) professores.

    Acreditam que há jovens, embora muito poucos, que, ao comprarem uns "jeans" (creio que é assim que se escreve...) pedem para que lhes seja arrancado o dístico com a marca? Recusam que o próprio corpo seja transformado gratuitamente em suporte móvel de publicidade.

    Juro.

    ResponderEliminar
  2. É verdade, Sra. Professora Helena Damião!
    Uma grande mas triste verdade!

    Embora nem sempre comente os posts fantásticos dos fantásticos autores do De Rerum Natura, é um blogue que sigo e leio todos os dias.

    Um abraço para todos vocês.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.