quinta-feira, 29 de setembro de 2011

A minha alma não, desculpe!

Entro num certo departamento de uma certa instituição de ensino e não posso deixar de reparar no único cartaz que está afixado. A cor é suave, o grafismo apelativo. Vejo que se trata duma lista... Com alguma curiosidade, aproximo-me e confirmo: é uma lista composta por uma espécie de princípios, tópicos, aspectos. São muitos, mas não consigo passar do primeiro. Leio-o, relei-o e volto a relê-lo.

Quando aquilo que observamos é de tal modo alheio aos nossos esquemas mentais, temos dificuldade em perceber o seu sentido, o seu alcance...

Aderir de corpo e alma ao novo paradigma da organização…”, eis a frase que me deixa, por largos momentos, nesse estado!

Aderir ao “novo paradigma”!? Paradigma é uma palavra sofisticada, imprime sempre um tom erudito a qualquer texto, a qualquer conversa, não menospreza o leitor ao qual se destina, eleva-o a um patamar de sofisticação linguística, e o leitor sente que "está em casa".

Mas, "voltando à terra", qual é esse paradigma? Onde está explanado? Eu deveria conhecê-lo!? E, se não o conheço, devo aderir a ele? De corpo e alma!?

Seja qual for o paradigma, posso aderir a ele (talvez) de corpo. Mas de alma!? Aí, vamos mais devagar, calma… A alma (seja lá isso o que for) é minha e só minha, não ma peçam, por favor, que o não podem fazer.

Eu até a posso dar, empenhar, vender, destroçar, mas isso é comigo e só comigo. Não posso admitir que me digam para a dar, que me imponham que a dê, que a empenhe, que a venda, que a destroce. No caso, que adira…

Quem escreveu isto (alguém escreveu isto!), mesmo que seja agnóstico ou ateu, terá lido a Nau Catrineta?

Nota: Não importa a identificação da instituição que motivou este texto porque estará longe de se tratar de um caso isolado.

2 comentários:

  1. lamento mas as almas tal como tudo alugam-se e perdem-se

    ResponderEliminar
  2. A Organização, deje ela qual for, nunca se contenta com os nossos corpos. Quer sempre as nossas almas. Por isso mesmo é A Organização.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.