quinta-feira, 31 de março de 2011

Vergonha Nacional


Já escrevi sobre isto.

Volto ao assunto para dizer que os casos BPN e BPP são uma VERGONHA IMENSA que CUSTA um agravamento de 0.8% do PIB no deficit nacional (2010). Se juntarmos a isso 0.5% do PIB para contabilizar os prejuízos da REFER, Metro de Lisboa e Metro do Porto, obtém-se um deslize de 1.3% do PIB para o deficit de 2010.

O Ministro da Finanças e o Primeiro-Ministro diziam que "o deficit ia ficar claramente abaixo dos 7%". Pois. Ficou claramente acima dos 8%, bem perto dos 9%.

E isso põe em dúvida o objectivo de um deficit de 4.6% do PIB para 2011? Naaah!, diz o fabuloso Ministro das Finanças. Isto em nada afecta esse objectivo.

Por isso as agências de rating estão a fustigar Portugal. Estes senhores não têm a mínima credibilidade. Tudo o que GARANTEM sai exactamente ao contrário.

Ah! e a dívida pública já vai em 92.4% do PIB, inscrevendo o INE o valor de 97.3% do PIB no final de 2011.

Nota: O PIB nacional foi fixado pelo INE em 172.5 mil milhões de Euros.

Isto é uma ENORME VERGONHA.
Portugal está na iminência de renegociar a dívida, pagando só uma parte, ou alargando os prazos de maturidade. Em qualquer dos casos isso será um RUDE golpe na nossa credibilidade e reputação: coisas que demoram décadas a conquistar mas que se destroem em poucos dias.

:-(

3 comentários:

  1. Somos um barco parado
    no meio dum pantanal
    sem se ver nenhum sinal
    para sair deste estado.

    JCN

    ResponderEliminar
  2. Metro do Sul do Tejo31 de março de 2011 às 15:34

    3 mil milhões de passivo do metro de Lisboa é uma vergonha secundária

    entendido

    ResponderEliminar
  3. Caro J. Norberto Pires,

    Só uma correcção, onde escreve "Portugal está na iminência de renegociar a dívida, pagando só uma parte, ou alargando os prazos de maturidade." julgo que deveria escrever "Portugal está na iminência de renegociar a dívida, pagando só uma parte e alargando os prazos de maturidade."

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.