terça-feira, 31 de março de 2009

Ciência – Arte – Religião


“Ciência – Arte – Religião”, 3ª Conferência do Ciclo “Novos Triângulos”

Dia 16 de Abril.2009 – às 21h15, Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett, Porto

A Câmara Municipal do Porto, através da Fundação Porto Social e no âmbito do Projecto “Porto Cidade de Ciência”, realiza no próximo dia 16 de Abril, às 21h15, no Auditório da Biblioteca Almeida Garrett, a 3ª conferência do Ciclo “Novos Triângulos”, sob o tema “Ciência – Arte – Religião”.

Para abordar este triângulo temático teremos como oradores convidados Carlos Fiolhais, Professor Catedrático de Física da Universidade de Coimbra e Director da Biblioteca Geral dessa Universidade, Eduardo Souto Moura (na foto), um dos Arquitectos portugueses mais internacionais e conceituados e Anselmo Borges, Padre da Sociedade Missionária Portuguesa, Teólogo e Professor de Filosofia da Universidade de Coimbra. A moderação deste Ciclo de Conferências está a cargo de Luís Portela, Presidente da Fundação Bial.

Este 3º encontro, pretende fomentar o cruzamento de diferentes concepções e pensamentos subsidiários à compreensão das relações entre ciência, arte e religião. Como equacionar as relações entre estas áreas? Afiguram-se aqui aproximações e sobreposições, mas também especificidades e distanciamentos. Estamos perante uma matéria de reflexão, complexa e polémica, que apela ao debate dos participantes pela diversidade de pontos de vista.

A entrada é livre.

1 comentário:

  1. Primeiramente peço licença pala falar de algum que não possuo domínio.
    Tenho sim, curiosidade sobre o assunto.
    Tive formação religiosa, católica romana, como quase toda humanidade tem desde os promórdios dos tempos as suas religiões. Quando nascemos encontramos tudo pronto e acabado e que é passam a nos.Cria como o ensinamento igual tambem, que a terra era redonda. Só que no caso da religião revestida de minstérios cuja crença nós deverímos ter.Eu munca consegui ter.
    Muito cedo me soava estranho todos os ensinamentos a mim ministrados quanto á religião. Não havia em mim creça, sentimento em tudo que me passavão.Quando adulto tinha apenas o que me havião me ensinado.Tive confirmado outros ensinos: Quimica, fisíca, biológia e mesmo assim sempre mundando alguns conceitos, pós a ciência " não é uma revolução e sim um processo" Portanto o que é hoje válido amanhã se prova ao contrário ou é acrecido ou aproveitado em outras aréas diversas.Não, a religião se mantinha alí sempre como fora.
    Bem, que destino daria minha falta de crença na religião? E mas, não cria em um Deus.
    Bem, deixei este assunto num canto qualquer de minha mente durante muitos anos.Qual é sua religião? Limitava -me, quando me convinha, dizer que não tinha. Nunca estendia o assunto e até fugia.
    Tenho minha formação em fotogáfia. Fui fotógrafo repórter.Sempre trabalhei em jornais. agências, editoras.
    Em minha psicaanálise nunca toquei em religião e Deus, durante os onze anos que fiz.Mas tive curiosidade em ler seus escritos.Com conselho do psianalista que não havia necessidade, pelo menos durante o processo da investigação análitica, não sendo formação análíca, não convinha.Nunca levei para meu processo análíco o que lia de Freud, Lacan e os outros mas pricipalmnete Freud.Sem dúvida que me auxiliou em nossa pesquisa, sem com que ele soubesse, talvez seja uma ilusão minha. Claro leituras que procurava ser mais fiel em termos de tradução e orientação editorial, em portugues, então, poucos escritos destes cientistas disponível.
    Nos escritos de Freud, "Futuro de uma ilusão" e " Mal -Estar na Civilizão. Encontrei o que procurava e me convenci.Mais sempre querendo saber que caminhos esses conteúdos tomarão.
    Qual foi minha surpresa, neste dia, isto é, neste exato momento em que escrevo, resolvi procurar na internet a resposta.Então encontro esse "Sobre a Natureza das Coisas" Propondo "abordar esse triângulo temático" em uma conferência.
    Assunto atual para meu espanto, pela "comlexidade e refexão polémica" desde o que Freud abordou, outros antes dele. Sendo que ele se atem em sua especialidade, o que não seria dieferente.
    Não li ainda o que foi dito pelos participantes desta conferêcia.O farei estudando-os com muito prazer e , se possível tomar conhecimente das conferências anteriores
    Bem, acabo aqui meu relato.
    Peço desculpas aos que lerem esta confição sincera, pelos erros gramáticas, acetuação e sintase.Tenho não menos conciêncicia deste fato como dificuldade em aprende-los.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.